segunda-feira, 29 de outubro de 2007

É isto aprender ?

" A ironia da realidade escolar é que as instituições dedicadas à aprendizagem não costumam elas próprias aprender" (António Bolívar)

De facto, a abertura às inovações e às aprendizagens nem sempre são o ponto forte das instituições escolares, enquanto aparelho de um grande sistema, nem dos seus profissionais, em particular. Nas escolas existe, frequentemente, uma resistência à mudança que torna penosos os processos que envolvam revisão de conhecimentos ou mesmo aquisição de novos conceitos ou técnicas. Quer seja por excesso de trabalho ou por ausência de condições facilitadoras, quer seja por inércia ou pura e simplesmente por falta de vontade, a realidade é que, na maioria dos casos, os obstáculos não faltam quando se trata de aprender. Embora haja muitas situações que, felizmente, fogem a esta nota dominante, na generalidade este é o espírito que impera.
Claro que sem esta abertura e esta disponibilidade para aprender, as instituições, e os seus profissionais, cristalizam e dificilmente podem acompanhar os jovens na sua atracção natural pelo novo.
Quando se fala em aprender fala-se em tomar conhecimento das realidades sociais actuais para, conhecendo os contextos e as vivências de cada um, puder compreender as personalidades e as atitudes dos alunos e estar mais apto a lidar com elas e a tirar daí o proveito possível para a construção dos saberes; fala-se em dominar, minimamente, as novas tecnologias e estar em condições de as aplicar; fala-se em actualizar os conceitos científicos, didácticos e pedagógicos evitando as práticas obsoletas e a estagnação a nível de desenvolvimento pessoal e profissional; enfim, fala-se de actualização aos mais variados níveis.
Se, por vezes, este trabalho é difícil e encontra muitos obstáculos, em muitas situações poderia ser facilitado se fossem criadas metodologias que implicassem o trabalho de grupo sistemático e a partilha de experiências e de pesquisas. Mas, para que esta prática traga resultados será necessário que as pessoas deixem de ter receio de se expor e de mostrar as suas vulnerabilidades e ganhem capacidade de ouvir e estar aberto a críticas e a opiniões e, sobretudo, à mudança.

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Apetece-me encontrar-te de novo no caminho


"São tudo pequenas coisas, assuntos sem grande importância, factos do passado que vejo saltar em frente dos meus olhos, para mais tarde regressar a ti.

Sei agora que me ensinaste o amor. Sinto que vivi contigo uma coisa tão intensa que não sei se serei capaz de a experimentar de novo. Foi tão bom. Onde quer que estejas, quero dizer-te que foi tão intenso e profundo que não aguentei. E o pior de tudo, foi o que se passou depois, o medo de ficar ligado a ti para além daquela noite.

Penso que estou a ser sincero quando receei que o hábito pudesse estragar o nosso amor. Podes pensar que estou a dizer-te isso agora como desculpa, porque a verdade é que querias continuar e fui eu que fugi, mas o certo (podes acreditar) é que houve uma parte de mim que quis guardar-te como te conheci na noite do Meco, existiu uma zona cá dentro que te quis manter, sem que a passagem do tempo pudesse alterar.

Quis guardar-te junto a tudo o que tenho cá dentro, bem perto do mais íntimo que possuo. Sei que não vou voltar a ouvir os teus passos de amor no silêncio da noite, a vida agora tão inquieta pesa nos meus ombros, estou cansado de chorar a raiva de teres partido, mas quero que saibas que não te esquecerei. Preciso de dizer isto centenas de vezes, necessito confirmar em mim a força que o nosso amor me deixou.

Às vezes,há como que um pavor do nada à minha volta, sobretudo à noite, quando toda a família se vai deitar e fico sozinho no meu quarto às voltas com o meu correio electrónico...


«apetece-me encontrar-te de novo no caminho...»

Acabo por adormecer de cansaço e sonho contigo, ou então imagino que vais aparecer a meu lado, beijos de esperança na luz da manhã, para podermos começar tudo de novo, desta vez sem ir embora.

A verdade é que, como me ensinaste o amor, não sinto mais grande entusiasmo com encontros de uma só noite e não sei se sou capaz de me apaixonar de novo, por isso vou tentar encontrar um caminho, às vezes fico como que a aguardar o teu regresso, noutros momentos apenas contigo dentro de mim, para viver a vida de outro modo."

Daniel Sampaio - Tudo o que temos cá dentro